Loading SEBRAE

Mais buscados: SEI credito mei Consultoria boas praticas

Loading SEBRAE

Notícias

Campanha e Fronteira Oeste destaca prioridades para o potencializar as MPEs da região

31/07/12

Da Redação

COMPARTILHE

Levantamento que o Sebrae/RS está realizando em todo o Estado será entregue aos novos prefeitos em dezembro

Da Redação
 
Superintendente do Sebrae/RS, Leo Hainzenreder (Foto: José Eduardo Trindade)
 
Santana do Livramento – A profissionalização da gestão pública, a aprovação e a implementação da Lei Geral das MPEs, o desenvolvimento do turismo regional e a criação de escritórios de projetos para os municípios foram os aspectos elencados como prioritários para potencializar as micro e pequenas empresas da região da Campanha e Fronteira Oeste. O resultado foi construído nesta terça-feira, dia 31 de julho, durante o 3 encontro MPE Grande do Sul, realizado pelo Sebrae/RS, e que reuniu mais de 40 lideranças empresariais e de entidades no município de Santana do Livramento. Os encontros MPE Grande do Sul estão ocorrendo em todas as regiões do Estado com o objetivo de discutir as necessidades e as potencialidades dos pequenos negócios.
 
 
O documento com as contribuições e reinvindicações do Estado servirá como cartilha de orientação para ações futuras em todos os municípios com foco no desenvolvimento das micro e pequenas empresas gaúchas. “A radiografia que o Sebrae/RS fará até setembro, por meio de dez encontros, será apresentada no dia 4 de dezembro, em Porto Alegre, no Fórum de Gestão Pública, e, posteriormente, entregue aos 496 prefeitos que iniciarão seus mandatos em 1º de janeiro de 2013”, disse o superintendente Leo Hainzenreder, lembrando que 99% das empresas no Brasil são de micro e pequeno porte, mas a sua participação no Produto Interno Bruto não é muito superior a 20%. “É preciso qualificar a mão-de-obra, investir em inovação e modernas práticas de gestão, no planejamento estratégico e buscar a profissionalização continuada para que as MPEs possam ampliar o seu percentual de participação no PIB, destacou.
 
 
 
A visão do Sebrae/RS
 
Coube a Hainzenreder falar aos presentes sobre a visão da instituição a respeito das MPEs e o desenvolvimento local e regional. Ele destacou que, hoje, o Sebrae/RS tem como público-alvo mais de 1 milhão e 100 mil empreendimentos formais no Rio Grande do Sul, englobando micro e pequenas empresas, empreendedores individuais e produtores rurais. “Na região da Campanha e Fronteira Oeste, temos um público potencial de 74.343 mil empreendimentos formais, para ofertarmos gestão empresarial, incentivo a busca pela inovação e tecnologia, acesso a mercados, orientação ao crédito, o fomento ao empreendedorismo e impulso a políticas públicas que criem um ambiente econômico favorável ao crescimento dos pequenos negócios”, afirmou Hainzenreder.
 
 
O superintendente citou ações importantes do Sebrae/RS para impulsionar o desenvolvimento das micro e pequenas empresas gaúchas. “Temos o Programa Negócio a Negócio, que visa a melhoria da gestão das micro empresas e dos empreendedores individuais e que deverá atender a mais de 45 mil negócios deste porte em 2012. Com o SebraeTec e o Programa Agentes Locais de Inovação, estamos levando às MPEs a consciência do quanto é importante buscar processos inovadores.
 
 
O Programa Sebrae 2014 nos permite mostrar aos pequenos negócios gaúchos como usufruir da série de oportunidades que serão geradas no Estado com a Copa do Mundo de 2014″, falou. Léo Hainzenreder ainda lembrou de iniciativas como o Sebrae Mais, o Sebrae no Territórios da Cidadania, o importante trabalho de sensibilização realizado na aprovação e da implementação da Lei Geral das MPEs nos municípios gaúchos, e o Programa Fornecer, realizado em parceria com o Governo Estadual, abrindo novas e boas perspectivas para os empreendimentos de pequeno porte em relação as compras governamentais.
 
 
 
Cenários
 
O economista e consultor do Sebrae/RS, Eduardo Starosta, apresentou cenários para a região, o Rio Grande do Sul e o Brasil do ponto de vista das micro e pequenas empresas. Ele traçou um paralelo entre o crescimento econômico brasileiro, gaúcho e da Região da Campanha, mostrando que a economia da região tem oscilações mais intensas do que a gaúcha. “O crescimento econômico regional vem sendo superior ao padrão gaúcho e brasileiro”, salientou. Starosta destacou, também, que a Campanha mostra tendência de aumentar lentamente sua participação na economia brasileira e gaúcha. Entre 2000 e 2011, a representatividade passou de 4,86% para 5,20. O apogeu foi em 2006, com 5,27%.
 
 
O consultor lembrou que a o setor Agropecuário da Campanha e Fronteira Oeste é responsável por 22% do PIB regional, tendo como destaque a produção do arroz, sorgo a pecuária de corte (bovinos e ovinos) e lã. “Representa cerca de 12% do PIB agropecuário do RS e vem tendo evolução de longo prazo similar a gaúcha e superior a brasileira. Nos últimos 11 anos, a participação da Região da Campanha no PIB industrial do RS oscilou entre 3,68% (2004) e 3,19% (2009). A melhoria de posicionamento conquistada entre 2003 e 2006 se deteriorou nos anos seguintes. Uruguaiana, Itaqui, São Borja e Alegrete são os maiores polos industriais da Região, concentrando 49% do PIB das fábricas. Já a participação do comércio e serviços no PIB vem caindo em relação ao Brasil e RS. Tal tendência mostra ser contínua nos últimos 10 anos. Uruguaiana, Bagé, São Borja, Alegrete e Santana do Livramento são os maiores polos de comércio e serviços da Região, concentrando 60% do PIB setorial.
 
 
Se por um lado há tendência recente de aumento da participação das exportações da Campanha no contexto gaúcho, a região tem como base exportadora hegemônica unicamente a carne bovina. Dos 20 municípios da Região da Campanha, 15 são exportadores.
 
 
Com relação aos cenários empresariais, em 2010 a Região ultrapassou o patamar de 18 mil empresas. Apesar do avanço dos últimos anos, fica evidente a tendência de queda de participação no contexto gaúcho. “A dinâmica de evolução empresarial da região, mesmo positiva é um ponto crítico regional. A Campanha conta com uma média de uma empresa para cada 41 habitantes”, destaca o consultor. Pelo lado positivo, nos últimos anos, a oferta de emprego na Região vem crescendo em ritmo mais acelerado do que a média do RS. Em termos de densidade empresarial, a Região da Campanha mostra sua vocação para comércio e serviços e atividades rurais. Os segmentos com maior tendência de expansão são: Transporte, Comunicações e Construção Civil.
COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Siga o SEBRAE RS

Notícias

23 de Maio de 2018

Negócios no Estande Coletivo do RS no SICC já somam 3,8 milhões

SAIBA MAIS

 

23 de Maio de 2018

Empreendimentos de saúde organizam compra conjunta

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 21/05/2018 16:40

Santa Cruz do Sul terá Sessão de Crédito e Negócios

Sebrae RS Podcast 15/05/2018 14:32

Sessão de Crédito ensina sobre financiamento em Caxias do Sul

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: