Loading SEBRAE

Mais buscados: MEI sei Credito Consultoria boas práticas

Loading SEBRAE

Notícias

Notícias

Pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios mostrou crescimento na demanda por orientações sobre ferramentas digitais em fevereiro

Os empreendedores buscam alternativas para venda e relacionamento com os clientes como forma de manterem seus negócios operando

atualizado em: 10/03/21

Da Redação

COMPARTILHE

A nona edição da Pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise, realizada pelo Sebrae RS entre os dias 05 e 21 de fevereiro, revela que os empreendedores, atentos às mudanças de comportamento do consumidor, estão em busca de alternativas para manter seus negócios operando. De acordo com o levantamento, em fevereiro foi registrado o maior percentual dos últimos sete meses de empresas que permanecem sem funcionar, chegando a 16%, com impacto também no faturamento, que apresentou uma redução de 56%, a maior dos últimos seis meses. Para manter seus empreendimentos, os empresários revelaram que a principal necessidade é a de orientação sobre o uso de ferramentas digitais para venda e relacionamento com clientes (41%). O capital de giro, demanda sempre presente desde o início do monitoramento, aparece em segundo lugar, com 38% das respostas.

 

“O prolongamento da pandemia, com o recrudescimento do contágio e as restrições impostas novamente pelas autoridades, atingem com muita severidade a condição de sustentabilidade dos empreendimentos, comprometendo os empregos e impedindo a geração de renda nos pequenos negócios. Neste momento de extremo risco para a sobrevivência das empresas, reforçamos nossos canais de atendimento para estar ao lado dos empreendedores, colocando nossos produtos, e também nossa empatia, a sua disposição, trabalhando e contribuindo para a superação dos desafios”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae RS, André Vanoni de Godoy.

 

Entre as empresas que não estão funcionando, 20% atribuem a paralisação dos seus negócios às restrições de funcionamento impostas pelas autoridades governamentais. Além disso, 16% decidiram fechar definitivamente e indicaram como principais razões a falta de clientes, falta de capital de giro e incapacidade de reposicionar o seu negócio. Mas a expectativa para os próximos 30 dias é positiva e a maioria quer permanecer no mercado (49%), expandir (29%) ou reposicionar (9%) seu negócio. Em sentido oposto, 4% pretendem reduzir a atividade, enquanto 2% informam que encerrarão seu negócio.

 

A busca por crédito continua sendo uma constante na vida das empresas, especialmente em períodos mais críticos como o de agora. No mês de janeiro, 19% buscaram recursos e, desses, 45% conseguiram. O valor médio obtido foi de R$ 16,6 mil. Já os entrevistados que buscaram e não conseguiram crédito, apontam a falta de garantias ou avalistas e as restrições cadastrais das empresas e/ou dos sócios como os principais entraves para a obtenção de financiamento.

 

A pesquisa foi realizada online com 812 clientes atendidos pelo Sebrae RS e tem nível de confiança de 95%, com margem de erro de 3,4%.

 

Atento às demandas dos empreendedores, o Sebrae RS coloca à disposição uma série de conteúdos online por meio E-books, palestras e ferramentas que podem ser acessados em www.sebraeaoseulado.com.br para auxiliar na reinvenção do seu negócio.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Siga o SEBRAE RS

Notícias

18 de Junho de 2021

Nem a crise segura o JK

SAIBA MAIS

 

18 de Junho de 2021

Projeto VOAR terá live de apresentação dia 21/06, às 19h19 e pode mudar a vida dos jovens

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 07/06/2021 14:15

Sebrae RS lança novo podcast nas plataformas digitais

Sebrae RS Podcast 31/05/2021 11:15

Integrante do Conexão Pelotas, empreendedor se reinventa e cria novo espaço gastronômico

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: