Loading SEBRAE

Mais buscados: mei sei Credito consultoria boas praticas

Loading SEBRAE

Moda

Mercado

Compartilhamento de roupas: um novo comportamento de consumo

atualizado em: 09/01/19
Fabiano Bassani Zortéa

Fabiano Bassani Zortéa

Coordenador estadual da Moda do SEBRAE RS.

COMPARTILHE
O consumo de roupas, calçados e acessórios sempre esteve no imaginário das pessoas, mas a possibilidade de adquirir a cada nova coleção ou evento é restrita a determinados públicos

Clique no play acima para ouvir o conteúdo!

Dos conceitos da economia compartilhada se origina a ideia do compartilhamento de roupas como negócio. Esse modelo tem sido aceito pelos consumidores porque abre a possibilidade de renovar o guarda-roupa sem precisar adquirir novas peças, sendo uma opção de negócio aos empresários dos negócios de moda. Junto com esse modelo de divisão de roupas, está por trás o conceito da inovação disruptiva, uma profunda mudança que introduz novos benefícios ao mercado, muitas vezes a um menor custo.

Quebrando paradigmas, desacomoda modelos consolidados. A ideia principal é que as pessoas dividam seus bens e serviços, tornando a experiência de consumo colaborativa e possibilitando uma interação maior entre elas. Esse novo jeito de fazer negócios pressupõe um consumo mais consciente, democrático e sustentável ecologicamente. Prioriza o sentido de comunidade, não o modelo capitalista.

O consumo de roupas, calçados e acessórios sempre esteve no imaginário das pessoas, mas a possibilidade de adquirir a cada nova coleção ou evento é restrita a determinados públicos, pois exige boas condições financeiras, limitando o acesso. Para resolver esta questão e democratizar a moda, surgiu esse novo modelo de negócio, juntamente com a economia colaborativa.

Em geral a dinâmica acontece assim, as empresas recebem roupas de pessoas que queiram disponibilizá-las para locação, oferecem a roupa por tempo determinado e compõem o valor da locação com a porcentagem que a loja recebe por intermediar a negociação. Para quem disponibiliza uma peça de roupa, é a oportunidade de rentabilizar um bem que está sem uso. Para o empresário, é uma forma de rentabilizar seu negócio sem precisar investir previamente em um estoque de roupas. E para quem consome, é a possibilidade de ter mais acesso ao mundo da moda, usar roupas diferentes, com mais frequência, e gastar menos dinheiro.

Este modelo tem muitos desafios. O empresário deve ter claro qual o seu público-alvo e focar em um determinado nicho, fazendo com que os clientes, sejam eles os locadores ou os locatários, se identifiquem rapidamente com o negócio. Um modelo que tem funcionado bem é o clube de assinatura, onde o cliente paga uma mensalidade e tem o direito de retirar uma quantidade definida de peças por mês, podendo ter diferentes planos, valores e quantidades.

Por se tratar de um modelo que dialoga com um novo movimento de comportamento de consumo, mais sustentável, o compartilhamento de roupas é uma solução para pessoas que necessitam de um grande volume de peças para diversificar no seu dia a dia e que não querem ou não podem investir muito dinheiro no seu guarda roupa.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

27 de Março de 2020

Prazo final de entrega da declaração anual do MEI é prorrogado para 30 de junho

SAIBA MAIS

 

27 de Março de 2020

Seis dicas para os pequenos negócios que ainda estão atendendo ao público em meio à crise

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 26/02/2020 15:15

Mercado para micro e pequenas empresas é favorável no país

Sebrae RS Podcast 26/02/2020 14:40

Scanner Sebrae possibilita autoavaliação das empresas

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: