Loading SEBRAE

Mais buscados: Sei Mei CRÉDITO consultoria BOAS PRATICAS

Loading SEBRAE

Moda

Mercado

Compartilhamento de roupas: um novo comportamento de consumo

09/01/19
Fabiano Bassani Zortéa

Fabiano Bassani Zortéa

Coordenador estadual da Moda do SEBRAE RS.

COMPARTILHE
O consumo de roupas, calçados e acessórios sempre esteve no imaginário das pessoas, mas a possibilidade de adquirir a cada nova coleção ou evento é restrita a determinados públicos

Dos conceitos da economia compartilhada se origina a ideia do compartilhamento de roupas como negócio. Esse modelo tem sido aceito pelos consumidores porque abre a possibilidade de renovar o guarda-roupa sem precisar adquirir novas peças, sendo uma opção de negócio aos empresários dos negócios de moda. Junto com esse modelo de divisão de roupas, está por trás o conceito da inovação disruptiva, uma profunda mudança que introduz novos benefícios ao mercado, muitas vezes a um menor custo.

Quebrando paradigmas, desacomoda modelos consolidados. A ideia principal é que as pessoas dividam seus bens e serviços, tornando a experiência de consumo colaborativa e possibilitando uma interação maior entre elas. Esse novo jeito de fazer negócios pressupõe um consumo mais consciente, democrático e sustentável ecologicamente. Prioriza o sentido de comunidade, não o modelo capitalista.

O consumo de roupas, calçados e acessórios sempre esteve no imaginário das pessoas, mas a possibilidade de adquirir a cada nova coleção ou evento é restrita a determinados públicos, pois exige boas condições financeiras, limitando o acesso. Para resolver esta questão e democratizar a moda, surgiu esse novo modelo de negócio, juntamente com a economia colaborativa.

Em geral a dinâmica acontece assim, as empresas recebem roupas de pessoas que queiram disponibilizá-las para locação, oferecem a roupa por tempo determinado e compõem o valor da locação com a porcentagem que a loja recebe por intermediar a negociação. Para quem disponibiliza uma peça de roupa, é a oportunidade de rentabilizar um bem que está sem uso. Para o empresário, é uma forma de rentabilizar seu negócio sem precisar investir previamente em um estoque de roupas. E para quem consome, é a possibilidade de ter mais acesso ao mundo da moda, usar roupas diferentes, com mais frequência, e gastar menos dinheiro.

Este modelo tem muitos desafios. O empresário deve ter claro qual o seu público-alvo e focar em um determinado nicho, fazendo com que os clientes, sejam eles os locadores ou os locatários, se identifiquem rapidamente com o negócio. Um modelo que tem funcionado bem é o clube de assinatura, onde o cliente paga uma mensalidade e tem o direito de retirar uma quantidade definida de peças por mês, podendo ter diferentes planos, valores e quantidades.

Por se tratar de um modelo que dialoga com um novo movimento de comportamento de consumo, mais sustentável, o compartilhamento de roupas é uma solução para pessoas que necessitam de um grande volume de peças para diversificar no seu dia a dia e que não querem ou não podem investir muito dinheiro no seu guarda roupa.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

22 de Janeiro de 2019

“Conseguimos reduzir 3 mil reais nas despesas mensais”, diz sócia da Jacuhy

SAIBA MAIS

 

21 de Janeiro de 2019

Pequenas vinícolas têm oportunidade de exposição na Festa da Uva

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 15/01/2019 18:07

Sebrae-RS cria projeto focado em inovar empresas de varejo

Sebrae RS Podcast 14/01/2019 17:44

Conselho Deliberativo Estadual do SEBRAE-RS tem novo presidente

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: