Loading SEBRAE

Mais buscados: sei Mei CREDITO consultoria Boas praticas

Loading SEBRAE

Ovinocultura

Estruturando o setor

Produção de ovinos: planejamento é a chave para abastecer indústria

12/01/17
Roberto Grecellé

Roberto Grecellé

Coordenador estadual de pecuária de corte do SEBRAE RS.

COMPARTILHE
É preciso investir mais em pesquisa e desenvolvimento do mercado para que os argumentos de venda fiquem mais claros para o consumidor.

No Brasil, o consumo anual de carne ovina é estimado em aproximadamente 700 gramas por pessoa, bastante abaixo dos cerca de 37 kg de bovina em média. Mesmo assim, os consumidores têm se interessado mais pelo produto e tem sido difícil para o pecuarista suprir a demanda.

Para o Gerente Regional da Campanha e Fronteira Oeste do SEBRAE RS, Ângelo Aguinaga, a única forma de resolver o problema é conscientizando o produtor da necessidade de fazer um planejamento amplo da criação, evitando que a dedicação ao processo seja esporádica e mais concentrada em uma única parte do ano. O primeiro passo para isso é definir que tipo de produto pretende-se oferecer ao mercado, para então criar uma estratégia de produção.

– Identificar o tipo de mercadoria está relacionado principalmente com perceber se há demanda do mercado e qual a constância necessária de entrega dela, que pode ser semestral ou até semanal – explica.

114_gagro_ovinocultura_estrategias-de-comercializacao_revisado_840x415

O mais comum é a venda de ovinos que sigam um certo padrão de tamanho que já se convencionou como o ideal pelos frigoríficos. Estima-se que 70% dos cordeiros criados no Brasil são abatidos nos finais de ano, próximo às festividades de Natal e Ano Novo. Na produção da carne, há uma demanda da indústria por animais de até um ano de idade e que ainda não tenham trocado a primeira dentição. Esse animal, em geral nasceu no mês de julho, e é abatido próximo de dezembro pesando aproximadamente 35 kg e com acabamento de gordura de 3,5 milímetros.

Com base na expectativa de atendimento da demanda, passa-se a planejar a alimentação, a época de acasalamento dos animais, o abate e as raças que serão utilizadas. No que diz respeito à inseminação, pode-se escolher pela monta natural ou pela artificial, que é mais ágil. Entretanto, o problema de acasalar todos na mesma época e vendê-los da mesma forma é que com o abate do rebanho no final do ano, torna-se difícil atender a outras demandas, principalmente no começo do semestre posterior, e aproveitar os preços da entressafra.

Aguinaga explica que, diferentemente do que se pensa no senso comum, pesquisas mostram que é possível produzir em todas as épocas, sendo a questão de venda no Brasil mais um aspecto comercial do que de ciclo de vida do animal. Observa-se que a lã e o leite também são opções para comercialização e que, da mesma forma, necessitam de boas estratégias de vendas.

– Nós temos uma imagem formada de que o consumidor brasileiro quer a carne dessa forma que oferecemos sempre, todos os anos e que isso não pode mudar. Precisamos investir mais em pesquisa e desenvolvimento do mercado para que os argumentos de venda fiquem mais claros para o consumidor – finaliza.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

19 de Julho de 2018

O que a NRA Show ensinou aos empresários

SAIBA MAIS

 

19 de Julho de 2018

Resultados de 2017 superados no 3º dia da Francal

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 18/07/2018 09:58

Sebrae realiza seminário sobre Junta Digital em Lagoa Vermelha

Sebrae RS Podcast 17/07/2018 18:29

Sebrae em Pelotas promove a Sessão de Crédito para micro e pequenas empresas

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: