Loading SEBRAE

Mais buscados: Sei mei credito Consultoria Boas praticas

Loading SEBRAE

Empreendedorismo

Prosperidade

Empreendedorismo como meio de desenvolvimento local

atualizado em: 30/05/19
Adilson dos Santos

Adilson dos Santos

Administrador de Empresas, Consultor em Desenvolvimento Territorial, Planejamento Estratégico e Consultoria Empresarial

COMPARTILHE
Desenvolvimento repercute em ampliação dos níveis de emprego, renda e multiplicação de riquezas

Esse texto pretende realçar a importância da melhoria do ambiente de negócios com vistas a estimular o empreendedorismo para o alcance de progressos no desenvolvimento local.

Quando o desenvolvimento é perseguido como um ideal, o local tende a alcançar condições de proporcionar respostas às necessidades e anseios da sua população, suprindo suas necessidades e lhe proporcionando as condições para que nele possa realizar seus projetos.

Quanto mais alternativas estiverem à disposição da população em termos de serviços educacionais, oportunidades de carreira, assistência social e à saúde e possibilidades de empreender, mais desenvolvido esse município tenderá a se mostrar.

O desenvolvimento local repercute ainda em ampliação dos níveis de emprego, renda e multiplicação de riquezas.

 

 

Desenvolvimento local e oportunidades

Recortes de pesquisa conduzida pelo Banco Mundial junto a 125 países entre os anos de 2004 e 2013 dão conta de que quanto maior a taxa de atividade empreendedora, maior o PIB per capta. Quanto maior a taxa de atividade empreendedora, menores são os níveis de desemprego. Quanto maior a taxa de atividade empreendedora, maiores tendem a ser os níveis de exportação. Quanto maior a taxa de atividade empreendedora, maiores tendem a ser as taxas de registros de patentes por mil habitantes.

O recorte evidencia aspectos que tendem a contribuir de maneira marcante com o alcance de níveis de desenvolvimento local sustentáveis, ampliando as oportunidades, alternativas e possibilidades para a população local.

A dinamização dos eixos produtivos por meio da ação empreendedora pavimentará caminhos para localidades avançarem na exploração adequada de suas potencialidades.

É preciso ter a clareza de que o desenvolvimento dificilmente ocorrerá de forma espontânea. No entanto, com mobilização e esforços pensados e devidamente articulados será possível contribuir para a evolução das cidades em diversos âmbitos.

Assim, alcançar o desenvolvimento vai requerer a convocação dos melhores recursos das lideranças locais, de tal modo que possam definir que tipo de espaço querem construir e, feito isso, possam conceber estratégias e planos para transformar suas intenções em realidade. Em locais desenvolvidos será possível perceber a qualidade de atrair e reter talentos. Pessoas preparadas com fortes possibilidades de produzir riquezas e impulsionar o desenvolvimento.

O desenvolvimento local se dará, inevitavelmente, por meio do empreendedorismo, mas preponderantemente através das pessoas.

Empreendedorismo como meio de desenvolvimento local 8

 

Ampliação da atividade empreendedora

A dinâmica empreendedora não pode ser tomada como caminho exclusivo para o desenvolvimento local, mas tenderá a ser a estratégia mais eficaz e sustentável para alcançar os avanços possíveis.

As empresas precisam encontrar no ambiente condições que favoreçam seu nascimento, desenvolvimento e, quem sabe, perpetuação.

A composição desse ecossistema favorável passa por alguns aspectos básicos, quais sejam:

  • Aprimorar o ambiente regulatório: a percepção sobre nosso país é muito ruim no que diz respeito a estudo que mede a facilidade para fazer negócios. Recebeu nota 60,01 numa escala que vai de 1 a 100, situando o país na 109ª posição num conjunto de 190 países apreciados. A pontuação é pouco superior à média dos países da América Latina e Caribe, situada em 58,97 pontos, de acordo com o relatório do Doing Business 2019.
  • Tornar o sistema tributário mais amigável: de acordo com o Doing Business 2019 – estudo do Banco Mundial que traz dados sobre as cidades de São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ), que são base de referência para todo o Brasil, uma empresa média brasileira gasta 1.958 horas para declarar e pagar impostos. A média na América Latina e Caribe é de 330 horas por ano. Em Cingapura, que tem o melhor desempenho entre os países pesquisados, são comprometidas 49 horas por ano.
  • Melhorar e otimizar o fluxo de abertura de empresas: de acordo com o relatório Doing Busi­ness 2019 o Brasil está situado na 140ª posição entre 190 economias estudadas em rela­ção ao tempo necessário para abrir uma empresa. Em 2018 foram necessários em média 80,28 dias em São Paulo e 80,16 dias no Rio de Janeiro (quase três meses) para cadastrar um ne­gócio.
  • Otimizar a concessão de alvarás de construção: tanto a velocidade como a simplificação do processo de obtenção do alvará são aspectos fundamentais para o encorajamento aos empreendedores em realizar seus investimentos. O Brasil foi classificado na 175ª posição no estudo. Fez progresso em relação ao estudo anterior, mas ainda são comprometidos 404 dias em São Paulo (SP) para a obtenção do documento. O prazo médio na América Latina e Caribe é de 199 dias.

Aos aspectos até aqui mencionados se somam outros relacionados à mão de obra técnica e qualificada; formação de executivos; capacitação para empreender; pesquisa, desenvolvimento e tecnologia; esforços por inovação; segurança jurídica; acesso a capital; e fomento à cultura empreendedora de tal forma que seja percebida como um caminho natural de carreira para boa parte da população.

O empreendedorismo pode ter muito mais valor para a sociedade do que muita gente pensa.

 

Empreendedorismo como meio de desenvolvimento local 9

 

A fim de descobrir por que alguns países prosperam e outros não, a análise do impacto da iniciativa empreendedora em determinado local precisa ser considerada no corpo do estudo do crescimento e do desenvolvimento desse mesmo espaço geográfico.

Foi principalmente Joseph Schumpeter (1883-1950) quem estendeu fortemente a tese do papel essencial do empreendedor no desenvolvimento econômico. Na verdade, esse economista nascido na Áustria, que mais tarde em sua vida chegou a lecionar na Universidade de Harvard, ganhou fama no início de sua carreira acadêmica com a publicação de Teoria do Desenvolvimento Econômico(1911). Nessa teoria, Schumpeter mostra o papel central que o empreendedor tem como agente de promoção do progresso econômico através da destruição criativa. A “destruição criativa” expressa a ideia de que a economia capitalista moderna é caracterizada por uma luta incessante pela inovação.

O desafio daqueles que protagonizam esforços pelo desenvolvimento local reside, em grande parte, na tarefa de conquistar melhorias para o ambiente de negócios e de políticas públicas que estimulem o empreendedorismo.

 

REFERÊNCIAS

Douglas Cumming, Sofia Johan, Minjie Zhang. The economic of entrepreneurship. Corporate Governance, March 2014, 22 (2)

Doing Business – estudo do Banco Mundial

Schumpeter, Joseph. Teoria do Desenvolvimento Econômico (1911)

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

23 de Agosto de 2019

Espaço Juntos para Competir receberá produtores rurais

SAIBA MAIS

 

22 de Agosto de 2019

Conheça as empresas selecionadas para a Feira Anuga

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 21/08/2019 17:22

Sebrae-RS promove encontros com quem pretende abrir uma Empresa Simples de Crédito

Sebrae RS Podcast 21/08/2019 17:19

Sebrae-RS realiza seminários sobre Empresas Simples de Crédito

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: