Loading SEBRAE

Mais buscados: SEI Mei Crédito consultoria Boas praticas

Loading SEBRAE

Empreendedorismo

Empreendedorismo institucional

Um novo olhar para conectar pessoas e instituições

09/11/18
Roselaine Monteiro Moraes

Roselaine Monteiro Moraes

Gestora de Políticas Públicas Sebrae RS

COMPARTILHE
Compromisso, entendimento, confiança, regulação e controle são pressupostos que norteiam o conceito de empreendedorismo institucional

Em tempos em que as relações sociais estão cada vez mais em evidência, os conceitos sobre ações cooperadas, senso coletivo, confiança e novos arranjos institucionais e interorganizacionais ganham força. Esses conceitos são definidos como empreendedorismo institucional.

Nesse contexto, o empreendedorismo institucional decorre do envolvimento dos atores que unem esforços para solução de problemas centrais. Compromisso, entendimento, confiança, regulação e controle são pressupostos que norteiam o conceito. Os empreendedores institucionais buscam introduzir novas práticas e sentidos para sua atuação coletiva de modo que se gere desenvolvimento.

A mobilização das pessoas em torno de um propósito tem sido um caminho para gerar engajamento e busca de resultados de transformação, tendo importância um novo arranjo institucional.

Elementos potencializadores

Estudos indicam que alguns elementos potencializam a ação desse tipo de empreendedor, tais como: a reflexividade autônoma, a performatividade e as habilidades analíticas, sociais, políticas e culturais.

Compreender como esses elementos contribuem na formação de empreendedores institucionais pode ser um ponto de partida para indivíduos que buscam inovações nesse campo de estudo, com vistas a modificar – ou até mesmo sugerir – novos arranjos institucionais.

No que tange à reflexão autônoma, o pensamento para a ação está mais centrado na preocupação individual, sendo esta mais relevante e menos concentrada na lógica institucional (grupo), o que pode gerar um conflito entre ambas (pensamento para ação individual X pensamento para ação coletiva). Desse modo, o indivíduo procura influenciar a lógica institucional a partir do seu pensamento para a ação individual. E, nesse sentido, o pensamento para a ação institucional vai sendo construído de acordo com a reflexão autônoma de cada indivíduo.

Já a performatividade diz respeito às performances individuais, sendo importantes na medida em que ressaltam o papel de atores e suas habilidades em criar novas alternativas que visem alcançar um objetivo comum.

Em relação às habilidades analíticas, estas requerem um olhar dos atores voltado à capacidade de planejamento, de identificação dos recursos, existentes e disponíveis, de forma racional/lógica.

Nas habilidades sociais, entram em cena as capacidades de negociação, de persuasão, de relacionamento em rede, de conexão entre os atores, visando cooperação e fortalecimento das relações de confiança.

Já nas habilidades políticas, a capacidade de negociação é fator importante no que diz respeito à mobilização de grupos e organizações com a finalidade de buscar uma aliança entre instituições. Assim, lançar mão de instrumentos legais e de mecanismos de regulação pode ser proveitoso, uma vez que se vislumbra uma agenda comum entre as partes.

As habilidades culturais se referem à compreensão do funcionamento de grupos. Nesse aspecto, entender o contexto, as regras, as normas e as crenças que norteiam os grupos é fator de extrema relevância para uma atuação coletiva.

Nessa ótica, a compreensão e a utilização dos elementos apresentados podem ser úteis na constituição de um novo arranjo ou empreendedorismo institucional.

Case de sucesso

Um exemplo de instituição que utiliza os conceitos do Empreendedorismo Institucional é a Escola Convexo, um empreendimento social voltado para a área educacional que tem como finalidade gerar o desenvolvimento sustentável educacional, social e econômico de comunidades carentes. Jovens entre 7 e 17 anos são estimulados a construírem soluções para resolver problemas comuns. A Convexo busca engajar colaboradores, empresas, alunos, pais, professores e a sociedade na participação de projetos que podem mudar a realidade da comunidade. A escola lança mão da metodologia Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL), enquanto são desenvolvidas competências socioemocionais, e todos os envolvidos resolvem problemas reais da região em que estão inseridos.

Para Bruno Bittencourt, cofundador da Escola Convexo, durante o processo metodológico é possível perceber alguns elementos importantes do Empreendedorismo Institucional. O primeiro deles é o engajamento comunitário. “Os projetos desenvolvidos dentro da escola transcendem as salas de aula e envolvem professores, pais, organizações e comunidades nas soluções de problemas sociais. Outra questão interessante de se observar é que esse processo começa com uma reflexão autônoma de cada indivíduo, uma vez que o autoconhecimento e a descoberta de superpoderes são pontos de partida da metodologia. A Convexo trabalha numa lógica de maximizar as potencialidades, seja do indivíduo, como da região. Desse modo as habilidades culturais são levadas em consideração nesse processo de aprendizagem e desenvolvimento, favorecendo o envolvimento comunitário com os projetos”, analisa.

Por fim, Bruno destaca que cada ciclo do processo resulta na entrega de um legado, ou seja, uma benfeitoria para o ambiente escolar ou comunidade, podendo se visualizar mais um elemento: a perfomatividade.

Ao compreender os elementos que tangenciam os conceitos de empreendedorismo institucional, parece possível criar ou fortalecer grupos e instituições que visem uma atuação com foco nas transformações e inovação social.

Portanto, os empreendedores institucionais são vistos como atores sociais que produzem, disseminam, compartilham regras e novas práticas e resolvem problemas centrais. Além disso, desacomodam padrões existentes, dando lugar ao novo.

Referenciais:

OMETTO, M. A.; LEMOS, EVELIN LUCHT. Empreendedorismo institucional, agência e mudança institucional: uma contribuição ao institucionalismo organizacional. XII Semead-Seminários em Administração, 2010.

BARATTER, Marystela Assis; FERREIRA, Jane Mendes; COSTA, Mayla Cristina. Empreendedorismo Institucional: características da ação intencional. Perspectivas Contemporâneas, 2010. Disponível AQUI.

(Acessado em: 24 agosto, 2018).

Escola Convexo – Unindo Mundos, Transformando Pessoas.

(Acessado em: 15 setembro, 2018).

 

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

15 de Fevereiro de 2019

Sebrae RS terá estande coletivo na Expodireto Cotrijal 2019

SAIBA MAIS

 

14 de Fevereiro de 2019

Nova edição do Empretec chega a Rio Grande

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 13/02/2019 10:00

Sebrae RS lança Empretec com workshop em Rio Grande

Sebrae RS Podcast 13/02/2019 09:56

Sebrae capacita empresas que participam de revitalização em Novo Hamburgo

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: