Loading SEBRAE

Mais buscados: Sei MEi credito consultoria boas praticas

Loading SEBRAE

Metalmecânico

Tendência

Indústria 4.0: o papel institucional das empresas no processo de inovação

29/01/19
Rodrigo Ferneda

Rodrigo Ferneda

Mestre em Economia pela Unisinos e Pesquisador em Inovação e Aglomerados Produtivos Locais

COMPARTILHE
As instituições investigadas são fundamentais nesse processo de adoção de tecnologias 4.0, que oportunizará uma modificação da intensidade tecnológica das firmas

A participação dos atores institucionais (entidades públicas e privadas, entidades de classe, institutos de pesquisa e consultorias) na dinâmica dos negócios de uma empresa é fundamental na mobilização e na formalização do desenvolvimento de negócios em nível nacional, regional e setorial. Na investigação realizada por meio de uma dissertação de mestrado em Economia, pela Unisinos, buscou-se compreender as tecnologias da indústria 4.0 nas firmas do agronegócio gaúcho, analisando o papel dos atores institucionais no processo de adoção. A seguir, alguns insights do estudo.

O papel das instituições frente à “Quarta Revolução Industrial” ou à “Nova Onda Tecnológica” assume importância fundamental no contexto econômico, por meio do desenvolvimento de máquinas, equipamentos e protótipos adequados às necessidades das firmas, que irão impactar nos processos e negócios empresariais. Isso gerará oportunidades de trabalho de alto nível intelectual, caracterizando como aspecto principal o nível cognitivo, seguido da capacidade técnica.

Nesse sentido, o auxílio de políticas públicas consiste em fomentar o patenteamento das tecnologias, viabilizando um modelo de desenvolvimento com menos burocracia e com maior proteção para a empresa, para as firmas antes da porteira, impulsionando a tecnologias para as propriedades rurais. Já para o pós-porteira, possibilita a customização dos produtos, maior volume de vendas e preço acessível ao consumidor final.

Em relação ao contexto social, consiste na qualificação de novos profissionais e requalificação da mão de obra já existente. Esse cenário faz com que o intercâmbio de informações seja pertinente e favorável para a troca de informações e ganhos de competitividade. Desse modo, o Estado tem a função de auxiliar na identificação de oportunidades, estreitando a relação Universidade-Empresa, por meio do desenvolvimento de soluções estratégicas, sejam elas de forma isolada, em conjunta ou em cooperação.

Novas profissões na Indústria 4.0

Outro viés é a análise do comportamento das novas profissões, para atender à demanda 4.0 em termos de eficiência e produtividade. O efeito desse contexto impacta de forma positiva as firmas antes da porteira. Porém, nos demais elos da cadeia, há limitações devido às barreiras na educação básica e superior. Identifica-se que a informação e o conhecimento são fundamentais para o envolvimento da cadeia do agronegócio frente às novas tecnologias.

No contexto ambiental, busca-se a preservação dos recursos naturais ecossistêmicos, com foco na redução de desperdícios, customização de matéria-prima, produção em maior quantidade e em menor espaço. Destaca-se o papel institucional, como orientação técnica, cursos profissionalizantes, para dentro da porteira, estimulando, assim, a disseminação da informação, a formação para a adaptação a uma nova cultura e outros esforços, que posteriormente visam o aumento da produtividade.

No pós-porteira, esse cenário precisa ter um fluxo de produção estruturado, caso contrário impactará em gargalos de produção. Em paralelo, o contexto tende a integrar a sustentabilidade financeira das firmas e toda a cadeia produtiva.

Assim, compreende-se que as instituições investigadas são fundamentais nesse processo de adoção de tecnologias 4.0, o que oportunizará uma modificação da intensidade tecnológica das firmas, bem como o aumento da competitividade do setor, frente à substituição das exportações de commodities por produtos de alto valor agregado.

Destaca-se, ainda, que as instituições abordadas mencionam a necessidade de atuar em conjunto com as firmas, resultando em esforços concretos, por meio da cooperação, parceria público-privado, institucionalização de processos inovadores, gestão estratégica e reposicionamento das atividades setoriais. O grande desafio institucional é preparar e desenvolver ações que viabilizem e recuperem a confiança do empresariado, para que as tecnologias em estudo apresentem impactos positivos e promovam o desenvolvimento e crescimento de toda a cadeia produtiva do agronegócio.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

21 de Fevereiro de 2019

Sebrae RS apresenta Mercopar 2019 durante reunião da CIC

SAIBA MAIS

 

21 de Fevereiro de 2019

InovAtiva está com inscrições abertas

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 19/02/2019 11:33

Quatro MPEs de Pelotas e Rio Grande são selecionadas para Prêmio de Inovação

Sebrae RS Podcast 18/02/2019 12:23

Sebrae RS fará oficinas de degustação de vinhos, espumantes e sucos na Festa Nacional da Uva

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: