Loading SEBRAE

Mais buscados: Sei MEi credito consultoria BOAS PRATICAS

Loading SEBRAE

Metalmecânico

Evolução

Rumo à Indústria 4.0: como atingir um novo patamar?

05/02/19
Fabiano Cislaghi Dallacorte

Fabiano Cislaghi Dallacorte

Coordenador estadual do Metalmecânico e Energia do SEBRAE RS.

COMPARTILHE
Estimativa anual de redução dos custos industriais no Brasil a partir da migração para o conceito da Indústria 4.0 é de R$ 73 bilhões por ano

A Indústria 4.0 é o próximo estágio a ser atingido em termos de produtividade máxima. Agregação de tecnologia para tornar os processos ágeis a ponto de reduzir o custo ao máximo e, ao mesmo tempo, conseguir flexibilizar a produção de forma a entregar lotes de um produto é a bandeira suprema desse conceito. Poucas empresas no mundo todo estão prontas para atuar com essa filosofia. Por outro lado, empresas de diversos tamanhos e segmentos estão em preparação para atingir o estágio de indústria do futuro. Grandes catalisadores do assunto, como a Feira Industrial de Hannover, apresentam tendências e tecnologias que alavancarão as indústrias para o próximo patamar e fazem a conexão entre o presente e o futuro.

Quando exercitamos a visualização desse cenário na indústria brasileira, identificamos que a distância da tecnologia embarcada da nossa indústria em relação a Europa, EUA e países da Ásia aumenta. Diversos fatores influenciam essa distância. O fato é que a indústria representa participação de menos de 10% do PIB brasileiro, que já foi de 21,6% em 1985, segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Segundo um estudo da Universidade Cornell, o Brasil ocupa o 69º lugar no índice global de inovação, que avalia quesitos como crescimento da produtividade, investimentos em pesquisa e desenvolvimento, educação e exportação de produtos de alta tecnologia, entre outros.

O Brasil tem caído nesse ranking de eficiência de inovação. Da mesma forma, entre 2006 e 2016 a produtividade da indústria brasileira caiu mais de sete pontos. Por outro lado, no relatório “Readiness for the Future of Production Report 2018” (WEF), apesar de o Brasil ocupar a 41ª posição em estrutura de produção, o país é visto como um potencial vetor de produção e de aumento de complexidade de produção.

Agenda da Indústria 4.0

Dentro desse cenário, entidades brasileiras que discutem a indústria identificaram que é preciso articular ações em conjunto em uma estratégia dual de “transformar a indústria hoje e criar a indústria do futuro”. Para alavancar essas iniciativas, surgiu a Agenda Brasileira da Indústria 4.0, coordenada pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e composta por 53 entidades.

Conforme a ABDI, a estratégia é “transformar a indústria hoje significa que a despeito dos desafios trazidos pela 4ª revolução industrial, as empresas têm espaço para fazer um uso mais eficiente dos seus recursos (físicos, financeiros e informacionais) para que seus produtos e serviços sejam mais competitivos no país e no mundo”. Isso se traduz em implementar formas mais eficientes de gestão, como o lean manufacturing, além de orientar processos e decisões a partir da análise em tempo real dos dados de produção”.

O que isso pode representar para as indústrias brasileiras, inclusive as pequenas? Segundo o grupo de trabalho da Agenda Brasileira para a Indústria 4.0, a estimativa anual de redução dos custos industriais no Brasil a partir da migração para o conceito da Indústria 4.0 será de R$ 73 bilhões por ano. Esse dado quantifica o quanto o país pode aumentar a sua competitividade interna e, principalmente, externa. Em eficiência o ganho seria de R$ 34 bilhões por ano; em manutenção, a redução seria de R$ 31 bilhões por ano; e em energia se economizariam R$ 7 bilhões por ano.

A movimentação sugerida pela ação da Agenda Brasileira para a Indústria 4.0 trabalha com quatro premissas:

1) Fomentar iniciativas que facilitem e habilitem o investimento privado, haja vista a nova realidade fiscal do país;

2) Propor agenda centrada no industrial/empresário, conectando instrumentos de apoio existentes, permitindo uma maior racionalização e uso efetivo, facilitando o acesso dos demandantes, levando o maior volume possível de recursos para a “ponta”;

3) Testar, avaliar, debater e construir consensos por meio da validação de projetos-piloto, medidas experimentais, operando com neutralidade tecnológica;

4) Equilibrar medidas de apoio para pequenas e médias empresas com grandes companhias.

Jornada da Indústria 4.0

Uma jornada foi proposta para alavancar essas premissas. O primeiro ponto é tornar os conceitos da Indústria 4.0 difundidos e conhecidos por todos que trabalham no setor. O segundo é diagnosticar o estágio das indústrias e oferecer um hub de conhecimento para implementar melhorias com instituições que dominam a técnica. Incentivar a manufatura enxuta como a base para o aumento de produtividade é o próximo ponto. O quarto marco da jornada é criar test beds, ou fábricas do futuro, responsáveis por receber protótipos de tecnologia para aprimorá-los, identificar viabilidade e, posteriormente, oferece-los ao mercado. Fechando a etapa de implementação e prototipação, a conexão das indústrias com startups é um marco importante. As startups têm o potencial de alavancar a implementação de tecnologia por meio de soluções disruptivas e inovadoras de forma rápida, e a conexão com a indústria é imprescindível para que se validem as soluções a serem desenvolvidas.

O segundo estágio da jornada é o de identificar e organizar requisitos para que a indústria seja alavancada. Pessoas precisarão estar aptas a trabalhar em ambientes inovadores de produção, então precisam ser preparadas para atuar nesse novo conceito. Da mesma forma, normativas que travam o aumento da produtividade precisam ser revistas a fim de possibilitar, por exemplo, a implementação de robôs colaborativos e para trazer privacidade para os dados de produção com a internet industrial.

Sabemos que os países que lideram o ranking de inovação na indústria têm um importante estímulo: dinheiro para fazer a tecnologia descer para o chão de fábrica. No Brasil, tornar a indústria 4.0 financiável é um ponto importante e está estabelecido na jornada da Agenda. Sem recursos financeiros e alavancagem consciente, dificilmente alcançaremos um patamar avançado de produção.

Por fim, a jornada da Agenda finaliza com o Comércio Internacional 4.0, que estimula a zeragem de alíquotas de impostos de importação de insumos estratégicos para a indústria do futuro, assim como permitir a cooperação de projetos bilaterais relacionados à Indústria 4.0 com outros países.

A viabilidade de se atingir uma “Indústria Brasileira 4.0” começa a ser desmistificada. No momento em que entidades e empresas iniciam a implementação, catalisam oportunidades para as pequenas indústrias empreenderem nessa trajetória. Por isso, fique atento sobre o assunto e participe dessa jornada.

Ficou interessado sobre como começar? Entenda mais como o Lean Manufacturing pode te ajudar clicando aqui.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

21 de Fevereiro de 2019

Sebrae RS apresenta Mercopar 2019 durante reunião da CIC

SAIBA MAIS

 

21 de Fevereiro de 2019

InovAtiva está com inscrições abertas

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 19/02/2019 11:33

Quatro MPEs de Pelotas e Rio Grande são selecionadas para Prêmio de Inovação

Sebrae RS Podcast 18/02/2019 12:23

Sebrae RS fará oficinas de degustação de vinhos, espumantes e sucos na Festa Nacional da Uva

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: