Loading SEBRAE

Mais buscados: sei MEi credito Consultoria boas práticas

Loading SEBRAE

Ovinocultura

Selos de qualidade

Programas de certificação ajudam a estruturar mercado da carne ovina

atualizado em: 12/01/17
Roberto Grecellé

Roberto Grecellé

Coordenador estadual de pecuária de corte do SEBRAE RS.

COMPARTILHE
Hoje o consumidor compra carne ovina e não sabe o que estará dentro do pacote: cada lugar vende algo diferente.

Comum no mercado de carne bovina, selos de qualidade começam a se tornar populares na produção de ovinos. A estratégia ajuda a educar o consumidor em relação ao padrão que ele encontrará à venda. Ao mesmo tempo, faz com que os produtores sigam métodos mais claros de criação para garantir a qualidade.

No Rio Grande do Sul, programas como Cordeiro Gaúcho, Herval Premium e Selo de Qualidade Corriedale Gaúcho são bons exemplos. No Paraná, outro centro produtor de carne ovina, se destaca o Castrolanda. Para o Gerente Regional da Campanha e Fronteira Oeste do SEBRAE RS, Ângelo Aguinaga, o estabelecimento das certificações é uma boa estratégia de marketing quando deixa claro para o cliente que ele vai encontrar sempre as mesmas características do produto nas gôndolas dos supermercados.

115_gagro_ovinocultura_projetos_revisado_840x415

– Hoje nós compramos uma carne e não sabemos o que estará dentro pacote. Cada lugar vende algo diferente. Estabelecer esse padrão torna possível competir com países que são potências na produção de carne ovina, fazendo com que se olhe o produto nacional com mais credibilidade – explica

De acordo com Aguinaga, boa parte da carne ovina consumida no Brasil é importada, sendo grande parte dela do Uruguai. A Nova Zelândia é outro país que tem produção o ano inteiro e domina o mercado mundial. Ele lembra que, apesar do aumento da demanda, no Brasil houve uma diminuição dos rebanhos.

– Já tivemos 12 milhões de cabeças e hoje estamos próximos de 4 milhões. É preciso fazer um trabalho de reestruturação do rebanho. Estados das regiões Norte e Nordeste e Santa Catarina já começaram esse movimento – pontua.

A mudança do cenário passa pela garantia de mais infraestrutura e por incorporar técnicas de outras áreas. O manejo do solo entre pecuária e agricultura ainda é pouco utilizado, mas pode ser aplicada ao setor ovino, já que é praticamente a mesma usada para o bovino. Também é muito comum a atuação de frigoríficos irregulares ou o abate informal na propriedade, um problema para a valorização da cadeia. Para Aguinaga, é necessário que se invista na fiscalização e em políticas públicas, mas que também se estimule o desenvolvimento de uma indústria mais forte para dar conta da demanda.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

19 de Fevereiro de 2020

Palestra em Caxias do Sul traz um novo olhar sobre a moda

SAIBA MAIS

 

17 de Fevereiro de 2020

Sebrae RS e CNPq abrem seleção para o Projeto ALI - Agente Local de Inovação

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 26/02/2020 15:15

Mercado para micro e pequenas empresas é favorável no país

Sebrae RS Podcast 26/02/2020 14:40

Scanner Sebrae possibilita autoavaliação das empresas

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: