Loading SEBRAE

Mais buscados: sei MEI Credito consultoria Boas praticas

Loading SEBRAE

Saúde

Cuidado

Um em cada 10 pacientes sofre danos desnecessários no atendimento

atualizado em: 08/11/18
Ana Paula Rezende

Ana Paula Rezende

Coordenadora Estadual da Saúde do SEBRAE RS

COMPARTILHE
Traduzir estratégias simples e eficazes pode ajudar a prevenir e reduzir riscos e danos nos serviços de saúde por meio de protocolos específicos

No Brasil, de acordo com o levantamento realizado pela The Lancet (www.thelancet.com), entre 53 e 74 pessoas a cada 100 mil habitantes são vítimas fatais da baixa qualidade da saúde. Essa faixa de mortalidade, onde também estão incluídos países como México e Argentina, é o segundo melhor índice encontrado pela pesquisa. Os registros mais baixos de mortes evitáveis giram entre 7 e 52 fatalidades a cada 100 mil habitantes, em países como Peru, Colômbia e China. Segurança do paciente é um assunto sério, riscos adicionais na prestação do cuidado têm sido atribuídos à complexidade dos serviços de saúde e à incorporação de tecnologias elaboradas.

Segundo dados da The Lancet, nos países pobres e em desenvolvimento, 10% dos pacientes são vítimas de infecções hospitalares evitáveis, e nos países desenvolvidos a situação não é muito melhor: 7% sofrem com infecções e 1% será vítima de eventos adversos durante tratamentos de saúde.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) prioriza dois desafios globais na área de Segurança do Paciente: reduzir a infecção associada ao cuidado em saúde por meio de campanhas de higienização das mãos e promover a cirurgia mais segura, além das metas internacionais para que o paciente não sofra algum tipo de dano que poderia ser evitado através de estratégias de prevenção.

No Brasil, as metas para Segurança do Paciente, baseadas nas metas internacionais da OMS, são coordenadas pelo Programa Nacional de Segurança do Paciente do Ministério da Saúde, criado em 2013.

Estratégias para o paciente

Traduzir estratégias simples e eficazes pode ajudar a prevenir e reduzir riscos e danos nos serviços de saúde por meio de protocolos específicos (com inovação e tecnologia) associados às barreiras de segurança nos sistemas e à educação permanente, desta forma evitando o erro humano.

A estratégia através da educação é essencial nesse processo, quando destaca-se a falha na comunicação sendo o motivador por riscos comuns em eventos adversos. Se as informações não são claras e completas, o paciente fica com a sensação de que falta transparência, gerando desconfiança no paciente e nos familiares.

E para reduzir os erros humanos, você precisa garantir que, em todas as ocasiões, os pacientes sejam conectados ao tratamento correto e na hora certa.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

16 de Julho de 2019

Próxima edição do Dito Efeito acontece em Porto Alegre

SAIBA MAIS

 

16 de Julho de 2019

Coopergov promove integração de planos de turismo na Costa Doce

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 11/07/2019 16:06

Sebrae RS lança novas soluções para programa Pratique com turmas gratuitas

Sebrae RS Podcast 10/07/2019 11:10

Projeto AgroInnovation aproxima produtores rurais de novas tecnologias e inovação

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: