Loading SEBRAE

Mais buscados: SEI Mei Crédito consultoria Boas praticas

Loading SEBRAE

Startup

Credibilidade

Como tornar minha startup atrativa para investimentos?

19/11/18
Layon Lopes

Layon Lopes

CEO da Silva / Lopes Advogados

COMPARTILHE
Receber um investimento não é algo tão simples. É preciso estar preparado e transmitir segurança ao investidor

O atual mercado de investimentos possui muito mais startups e empresas de inovação buscando investidor do que há poucos anos. Porém, por mais que o mercado esteja superaquecido, existem muitas possibilidades de investimento. Entretanto, para o investidor desembolsar seu dinheiro e aplicá-lo em uma empresa, há um longo caminho a ser percorrido por esta empresa. Ela precisa está preparada para receber o aporte e, sobretudo, mostrar para o investidor que seu negócio é seguro e rentável.

Existe uma série de complexibilidades por trás dos investimentos. Uma delas é entender e verificar se quem vai receber o dinheiro tem estrutura para tanto. O primeiro passo que o empreendedor deve dar é o cuidado com o plano de negócios da empresa, uma vez que o investidor quer ter a segurança de que aquela startup vai seguir o roadmap – e este, por sua vez, deve estar bem definido. Ou seja, o investidor quer ter a garantia de que seu dinheiro não será utilizado para outros fins que não o crescimento da empresa.

Métricas para investimentos

As métricas são essenciais para a startup demonstrar de que forma vai gastar este valor aplicado nela e o que vai atingir com ele, pois os investimentos servem para que o dinheiro entre na empresa e ela consiga alcançar uma determinada etapa. Existem diversas métricas que um investidor analisa antes de decidir se vai apostar em uma empresa, como, por exemplo, indicar o custo de aquisição de cliente, qual é o tempo de vida do cliente, qual é o custo para fazer uma venda e a diferença entre o número de novos usuários e de pessoas que deixaram a plataforma da startup. Se bem desenhadas, as métricas vão dar confiança ao investidor. Ele conseguirá visualizar qual é a realidade da empresa e se ela conseguirá melhorar as métricas.

Jurídico

Outro ponto importante é a questão jurídica de uma startup, muitas vezes negligenciada. Muitos empreendedores entendem o setor jurídico como um insumo, colocando-o dentro do cálculo de despesas. Esse é um grande erro. A partir do momento em que o empreendedor coloca o jurídico como uma base estratégica, entendendo-o como um investimento, ele torna sua startup mais receptiva para o mercado e para investidores de uma forma mais estruturada.

Entre as questões ligadas ao setor jurídico e que serão observadas pelo potencial investidor está o arranjo societário, que mostra quem está por trás daquele negócio: quem são os sócios e quem tem eventualmente alguma participação presente ou futura na empresa. Há diversos documentos que são utilizados para que a empresa consiga fazer um controle e organização da sociedade, das participações, cotas, ações, etc. Entre eles, está o contrato social. Este, por sua vez, define as obrigações dos sócios com a sociedade e as obrigações da sociedade com os sócios. São normas e regulações societárias que devem estar presentes nesse contrato.

Se o contrato social não estiver muito bem estruturado, ele pode se transformar em uma pedra no caminho da empresa rumo ao investimento. Uma vez que o contrato social não tenha as obrigações específicas para cada caso, pode fazer com que o investidor perceba que o contrato não apresenta uma proteção mínima para ele, e acabe recuando.

Já o acordo de sócios vai definir somente a relação entre estes. Esse acordo tem o cunho específico de cuidar de alguns pontos, como, por exemplo, o stock option plan. Empresas com grande potencial definem cláusulas específicas onde se beneficia ou se dá bônus para determinados sócios/empresários/diretores da sociedade. Stock option é um mecanismo bastante característico de empresas de tecnologia.

Quando estiver analisando a startup em que está interessado em aplicar dinheiro, o investidor irá verificar se existe alguma bonificação desse tipo, como foi distribuída e como ocorre. Se esse ponto não estiver bem definido, assim como o cap table, pode ser um empecilho para a negociação.

Propriedade intelectual

A startup deve estar atenta ainda à propriedade intelectual. Certificar-se de que a marca, patentes, domínios e contratos com desenvolvedores estão devidamente registrados é essencial antes de buscar um investidor.

Na maioria dos casos, a tecnologia é insumo da atividade empresarial. Atualmente, a tecnologia à disposição se tornou commodity, uma vez que a maioria das empresas possuem sites, aplicativos, etc. A parcela da tecnologia como ativo está relacionada ao desenvolvimento da própria tecnologia, o que não ocorre na maioria dos casos. Podemos citar como exemplo uma empresa que atua no setor de varejo, mesmo possuindo um e-commerce, no qual o ativo não é o próprio código-fonte da plataforma, mas o plano de comércio, a forma como vende o produto e, provavelmente, tendo a marca como seu maior ativo.

Muitas empresas não dão início ao processo de registro de marca e, lá na frente, quando começam a crescer realmente, enfrentam diversos problemas como o roubo de marca, por exemplo. A empresa que estampa seu produto ou serviço e o deixa desregulado não está criando uma identidade, pois o que não é registrado é de bem comum.

As patentes também são protegidas por registro e possuem prazos, sendo necessária uma gestão correta. A empresa também deve prestar atenção nos domínios. É comum que, no início da jornada, o empreendedor utilize seu CPF para registrar o domínio.

Outro fator importante dentro da propriedade intelectual é o contrato, que deve estar com formato bastante claro para desenvolvedores. Nele deve constar de forma clara que aquela propriedade intelectual foi desenvolvida para empresa e é de propriedade da mesma, podendo ser utilizada somente por ela.

Rede contratual

A rede contratual da startup também deve estar muito bem alinhada, com relações contratualizadas, contratos padrões, termos de uso, políticas de privacidade e contratos de trabalho bem definidos.

Alguns dos pontos que o investidor irá verificar são quais os dados coletados pela empresa; se a mesma possui autorização para coletar e como os utiliza; quais os contratos que utiliza e se o negócio é de cauda longa ou curta.

O mercado no qual mais entra investimentos é o B2B (business to business), por ser geralmente um negócio de cauda longa e com pouco risco da empresa perder sua base de clientes de uma hora para outra.

Startups possuem por característica o crescimento escalável, e por isso os contratos de trabalho também merecem atenção redobrada. Principalmente nos casos de empresas em fase de escalonamento.

Tributário e contábil

Por fim, estão as questões tributárias e de contabilidade. O investidor precisa estar certo de que a empresa possui uma contabilidade auditável e que o recolhimento dos tributos está correto.

Todos esses pontos citados servem para que a empresa consiga demonstrar para o investidor que o negócio é seguro e rentável e que ele pode aplicar seu dinheiro sem medo.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

15 de Fevereiro de 2019

Sebrae RS terá estande coletivo na Expodireto Cotrijal 2019

SAIBA MAIS

 

14 de Fevereiro de 2019

Nova edição do Empretec chega a Rio Grande

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 13/02/2019 10:00

Sebrae RS lança Empretec com workshop em Rio Grande

Sebrae RS Podcast 13/02/2019 09:56

Sebrae capacita empresas que participam de revitalização em Novo Hamburgo

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: