Loading SEBRAE

Mais buscados: Sei credito Mei Consultoria Boas Praticas

Loading SEBRAE

Startup

Novos movimentos

Estamos chegando ao fim da era dos aplicativos?

30/04/18
Debora Chagas

Debora Chagas

Coordenadora Estadual da Startups e Economia Digital do SEBRAE RS

COMPARTILHE
A tendência é o investimento não em criação de mais apps, mas em chatbots que façam os atendimentos automaticamente e que direcionem a conversa do cliente via aplicativos de mensagens

A história avança e sempre vai deixando para trás ideias, invenções, hábitos e costumes. Na área tecnológica isso não é diferente, mas com certeza é bem mais rápido. Um exemplo são os aplicativos, ou “apps”. Nos últimos dez anos, esses pequenos programas, voltados principalmente a dispositivos móveis, se tornaram imensamente populares devido à sua facilidade de uso. Como em toda tendência, muitas empresas e startups passaram a lançar seus próprios apps como forma de participar desse jogo e criar uma conexão com seus clientes e potenciais consumidores. As pessoas já gastam mais da metade de seu tempo livre navegando em mobile apps que fazem de tudo: gerenciam contas de bancos, marcam consultas médicas, realizam a previsão do tempo, exibem vídeos, gerenciam projetos, distribuem música, realizam compras e vendas online e muito mais. Mas, ao que parece, a engrenagem da história está girando novamente e deixa no ar a questão: estaríamos entrando no fim da era dos aplicativos?

Há alguns motivos que permitem supor isso. O primeiro é que muitos desses aplicativos acabam não tendo uma utilidade imprescindível que justifique ocupar espaço na memória do smartphone ou tablet. O que leva ao segundo ponto: o mundo digital com seus milhões de vídeos, fotos e interações exige cada vez mais espaço de armazenamento nos dispositivos, fazendo com que os usuários acabem apagando tudo o que não for realmente relevante. Por outro lado, os aplicativos das grandes redes sociais, como Facebook, Instagram, Twitter, Linkedin e, principalmente, os de comunicação instantânea, como Whatsapp, Telegram e Messenger, entre outros, são os que as pessoas mais utilizam diariamente e que realmente conectam milhões e milhões de usuários em tempo real. Atualmente, os apps de comunicação são ainda mais relevantes que os das redes sociais, e já são utilizados largamente para comércio e divulgação de produtos, serviços e marcas.

Por conta desse panorama, a tendência agora é o investimento não em criação de mais apps – que possivelmente serão instalados, esquecidos e desinstalados, criando mais aborrecimento do que satisfação no cliente –, mas na criação de “chatbots” que façam os atendimentos automaticamente e que direcionem a conversa do cliente com a empresa via aplicativos de mensagens. Com bancos de dados preparados para dar quase todas as informações necessárias ao cliente e fazer o agendamento de suas demandas e compras, esse tipo de interface também permite o acesso a um atendente de carne e osso em questões que não puderem ser resolvidas no modo automático.

Assim chegamos a uma era da simplificação do processo final de contato com o usuário, mas, ao mesmo tempo, entramos em uma fase em que há a necessidade de empresas e startups desenvolverem novas técnicas de protocolos, processos e interfaces de comunicação, como CUI (caracter user interface), AI (artificial intelligence), text and data mining, machine learning e NLP (natural language processing), entre muitos outros.

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

22 de Maio de 2018

Startup RS Agrotech tem inscrições até 27 de maio

SAIBA MAIS

 

22 de Maio de 2018

Referenciais em sabores e serviços: os restaurantes que encantam

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 21/05/2018 16:40

Santa Cruz do Sul terá Sessão de Crédito e Negócios

Sebrae RS Podcast 15/05/2018 14:32

Sessão de Crédito ensina sobre financiamento em Caxias do Sul

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: