Loading SEBRAE

Mais buscados: SEI MEI Credito Consultoria Boas Praticas

Loading SEBRAE

Empreendedorismo

Cultura empreendedora

A importância da educação financeira na escola

22/10/18
Priscila Trindade Sant'Anna

Priscila Trindade Sant'Anna

Gestora de Políticas Públicas Sebrae RS

COMPARTILHE
Quanto mais cedo ensinamos educação financeira e fomentamos habilidades empreendedoras, melhor

O MEC homologou em 2018 a nova Base Curricular Comum Nacional (BNCC), em que determina dez competências a serem desenvolvidas nos alunos da Educação Básica. Além da definição de competências, há temas transversais que devem ser abordados durante o período escolar, e entre eles está a educação financeira. Conforme definido na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394/1996), a BNCC deve nortear os currículos e as propostas pedagógicas de todas as redes de ensino, ou seja, ela dá o rumo e indica aonde se quer chegar, mas não oferece um modelo pronto. Mas são os currículos que definem os caminhos, ou seja, o método de ensino, os materiais didáticos e o formato das avaliações. E isso será prerrogativa de cada Estado, de cada escola, que tem até 2020 para implementar todas as diretrizes.

A abordagem no currículo não precisa se dar somente por meio das disciplinas, é estimulada a criação, também, de projetos extraclasse que sirvam para desenvolver habilidades socioemocionais e reforçar a conexão entre o ensino e a realidade dos alunos. Apesar de a BNCC sugerir que a educação financeira seja trabalhada de forma transversal e integradora, essa menção aparece explícita no documento orientador de matemática para o quinto ao nono ano do ensino fundamental. No entanto, a ideia é que todas as disciplinas se apropriem de seu conceito e a apliquem de forma prática e funcional. Quando falamos de educação financeira como parte de uma cultura empreendedora, é possível desenvolver atividades como a simulação de compra e venda e feiras e oficinas de empreendedorismo. Projetos assim fomentam comportamentos que serão requeridos no futuro, quando o mercado de trabalho estará mais preocupado com habilidades e comportamentos do que propriamente com questões técnicas que podem ser ensinadas mais adiante.

Quanto mais cedo ensinamos educação financeira e fomentamos habilidades empreendedoras, melhor.

A importância da educação financeira na escola

De acordo com a Abefin (Associação Brasileira dos Educadores Financeiros), a inclusão do tema educação financeira segue a tendência de estudos recentes da área, que apontam que quanto mais cedo ela é abordada, maiores serão as chances dos estudantes adotarem hábitos de consumo consciente.

Segundo resultados da Pesquisa Nacional de Educação Financeira nas Escolas, 81% dos alunos que têm educação financeira gastam parte do que recebem e guardam outra a parte para planos futuros. A adoção de um modelo de educação financeira nas instituições de ensino pode ser uma boa alternativa para a resolução de problemas reais, como o consumismo desenfreado, de forma não consciente, e o alto nível de endividamento da população. O objetivo final é preparar gerações futuras para a administração do equilíbrio de suas finanças, tornando os jovens mais conscientes para resistir às pressões do consumismo e que possam influenciar positivamente suas famílias. E em um futuro onde o emprego formal será menos abundante, é importante ter reservas financeiras e saber administrar o dinheiro a seu favor.

Ademais, é importante fomentar a cultura empreendedora, a autonomia e o perfil dinâmico para resolver problemas e preparar os jovens para serem autônomos e/ou terem a versatilidade que será requerida nas profissões do futuro. Devemos construir uma força de trabalho com habilidades consistentes, desenvolvidas desde a infância, para que não tenhamos que lidar com mais desemprego e desigualdade. Portanto, precisamos desenvolver nas futuras gerações novas habilidades para novas economias. E como as competências empreendedoras e o conhecimento de educação financeira se encaixam nesse contexto? David Deming, professor associado de Educação e Economia da Universidade de Harvard, argumenta que habilidades leves como a partilha e a negociação serão cruciais, além do conhecimento da matemática, que será extremamente benéfico para prosperar no mercado de trabalho de um futuro próximo.

O desafio agora é que os educadores complementem o ensino de habilidades técnicas com as competências empreendedoras básicas – como iniciativa, comprometimento, independência, persuasão e planejamento – na formação de um jovem preparado para o amanhã.

 

Veja também:

[Palestra Online]

Como obter os melhores resultados através da educação financeira

Apoiar o empresário a tomar decisões financeiras mais autônomas e conscientes, contribuindo para o bem-estar financeiro do seu negócio.

ACESSE

COMPARTILHE
ESTE CONTEÚDO FOI ÚTIL PARA VOCÊ?

Notícias

22 de Fevereiro de 2019

Sebrae RS e FIERGS juntos na Mercopar 2019

SAIBA MAIS

 

22 de Fevereiro de 2019

Lojistas têm oportunidade de qualificar seus negócios

SAIBA MAIS

Vídeos

Ouça o podcast do SEBRAE

Sebrae RS Podcast 22/02/2019 17:50

Estão abertas as inscrições para o Programa AGIR 2019

Sebrae RS Podcast 19/02/2019 11:33

Quatro MPEs de Pelotas e Rio Grande são selecionadas para Prêmio de Inovação

Atendimento - Chat

Olá, tudo bem? Preencha os campos para iniciarmos o chat. ;)

Por favor, preencha o formulário abaixo e retornaremos seu contato assim que possível.

Início em: